Blog Porta 23

Categorias

Histórico

A primeira conexão internet no Brasil fora da academia acaba de fazer 25 anos

cristinadeluca

02/07/2017 12h46

Só ontem, vendo uma reportagem na TV sobre os 25 anos da Rio-92, Eco-92 ou Cúpula da Terra, como queiram chamar, me toquei que a primeira conexão internet da sociedade civil brasileira completou 25 anos! Durante a conferência, na expansão das conexões  para além das dependências universitárias, e  graças ao Ibase e à ONU,  nasceu o embrião do que se transformaria mais tarde, em 1994, no primeiro provedor de acesso nacional.

Foi com as universidades brasileiras ainda tateando no uso da Rede Nacional de Pesquisa e com os BBS se tornando mania no país, que duas iniciativas,  independentes e paralelas, a própria RNP e o AlterNex, do Ibase, acabaram se juntando em um esforço comum para viabilizar as comunicações, via Internet, da Eco-92.

No final de 1990, o Ibase iniciou o “UNCED Information Strategy Project in Rio” (ISP/Rio) _ que viria a ser incorporado ao Acordo de País Sede, assinado pela ONU e o Brasil, para a realização da Eco-92. O projeto previa a montagem e operação de uma rede de microcomputadores interligando todos os espaços do evento, entre si e à Internet.

“A Eco-92 era a primeira conferência da ONU aberta à participação da Sociedade Civil organizada. Como muitas ONGs não tinham recursos para enviar representantes ao Rio, tivemos a ideia de usar a Internet para disseminar as informações e receber documentos das entidades ausentes”, conta Carlos Afonso, em entrevista que colhi para um livro do CGI.br que nunca saiu do papel.

“Apresentamos a ideia para o secretário-geral da UNCED 92, Nitin Desai, que achou interessante e deu sinal verde. Em paralelo, o PNUD já estava trabalhando com outras ONGs e o pessoal do AlterNex no projeto Interdoc. E a APC já estava montada. Por conta de toda esta colaboração internacional, o governo canadense nos deu apoio financeiro. A Sun doou US$ 100 mil em software e hardware ,via PNUD, para o Ibase operar o sistema Internet da Eco 92, no âmbito do projeto AlterNex. Eram máquinas SPARC estado da arte na época. Esse equipamento ficou com o projeto AlterNex. E permitiu um grande salto de qualidade nos serviços, na época”, completa Carlos Afonso.

Em paralelo, a ONU conseguiu a doação de dezenas de máquinas 486 (também topo de linha na ocasião). Esses 486 foram posteriormente utilizados pelo Centro de Informações do Ibase/RNP e outros projetos da RNP.


Reprodução do Acervo Digital de O Globo – Abra em outra janela para ampliar

Por determinação da ONU, o Brasil e a APC lideraram o projeto, apesar de todas as dificuldades impostas pelo governo brasileiro, que queria entregar as comunicações de dados da Eco-92 nas mãos do Serpro e da Digital. E o fizeram com êxito. Segundo Carlos Afonso, graças ao envolvimento da RNP, que desempenhou um papel fundamental na ativação do acesso Internet.

“O pessoal do Serpro nem sabia o que era Internet. Não fazia ideia do que a gente estava propondo. Só sabia que era ruim para eles, porque perderiam o projeto”, revela Carlos Afonso. “Procurei o Tadao Takahashi, por saber das conexões internacionais da RNP e, graças à visão dele, de que aquilo podia ser benéfico para a rede acadêmica, fomos conversar com o Michael Stanton, então coordenador da Red-Rio, que interligava as universidades e centros de pesquisas cariocas.

“Um dia, em 1991, o Carlos Afonso apareceu na PUC para conversar comigo, levado pelo professor Paulo Aguiar, da UFRJ. Trouxe seus planos para a Eco-92 e pediu o apoio da Rede-Rio para prover conectividade internacional à Internet para o evento. A partir deste dia, o Ibase passou a ser considerado um futuro cliente da Rede-Rio Fase 2, que acabaria entrando em funcionamento no ano seguinte para ativar a conexão internacional própria de 64 Kbp/s,  instalada às vésperas da Eco-92, em grande parte devido à importância deste evento”.

“O Tadao e o Carlos Afonso se articularam e fizeram um trabalho magnífico. Muito bem feito. Montaram aquela infraestrutura toda. Estamos falando de uma época anterior ao surgimento da Web. O papel que a RNP e o Ibase tiveram na Eco-92 foi importante para exibir talentos, para provar competência, para mostrar para o mundo inteiro que nós tínhamos condição de fazer conectividade. Foi uma façanha”, garante Ivan Moura Campos.

Portanto, se na Rio-92 chegou-se à conclusão de que temos de agregar os componentes econômicos, ambientais e sociais para salvar o meio ambiente, foi nela também que nos demos conta de que era preciso conectar o Brasil inteiro à Internet.  Nascia o que passou a ser conhecida entre os acadêmicos, BBSzeiros e ONGs, a tal Internet de produção, mais tarde transformada em internet comercial pela atuação do próprio Alternaex e outros tantos BBS transformados em provedores de acesso, como o Mandic, em São Paulo.

Depois da Eco-92, houve uma corrida de filiação à ONG Associação para o Progresso das Comunicações (APC), especialmente entre jornalistas e BBSzeiros, para obtenção de uma conexão Internet. Entre os veteranos no uso da Internet no Brasil, há muitos que ainda se orgulham de ter tido o primeiro endereço de e-mail com o sufixo @ax.apc.org. Eu entre eles.

Em setembro de 1993, o lançamento do visualizador gráfico de hipertexto Mosaic (que conhecemos hoje como navegador ou browser) abriu o caminho para a exploração da Internet como negócio. Um ano depois seu criador, Marc Andreesen, fundou a Netscape.

Reprodução do Acervo Digital de O Globo – Abra em outra janela para ampliar
 Até então, a Internet se resumia a conversas e trocas de informação por texto. O nome deste blog é uma homenagem à uma das portas de acesso mais utilizada na época. Os recursos da rede se limitavam a comandos como finger e talk, para estabelecer conversas via chat,. A gente acessava o Gopher da PUC-Rio para saber a hora certa na cidade e enviava mensagens para a esquina-da-letras@dcc.unicamp.br para criar uma lista de discussão sobre qualquer tema, como hoje a gente faz nos grupos de Facebook. E achava tudo isso o máximo! Porque aprendemos bem cedo que a Internet  não era só uma gigantesca rede de redes, como dizia o meu amigo Sérgio Charlab, unindo milhões de computadores ao redor do mundo, nos permitindo conexões internacionais antes consideradas de “segurança nacional”.

Pós Eco-92, aprendemos que a Internet era  “A” rede para unir pessoas e dar espaço à troca de ideias e às emoções. Ajudar a compartilhar problemas e a buscar soluções. Ter a chance de encontrar muita gente parecida, mas também muita gente diferente de nós, disposta a fazer novos amigos.

Hoje, nossas nossas lutas são outras. Mas, no fundo,  foram e continuarão a ser sempre pela democratização do acesso!

Sobre a autora

Cristina De Luca é jornalista especializada em ambiente de producão multiplataforma. Hoje trabalha como colunista de tecnologia da Rádio CBN e editor-at-large das publicacões do grupo IDG no Brasil. Foi diretora da área de conteúdo do portal Terra; editora-executiva da área de conteúdo da Globo.com; e editoras executiva da unidade de Novos Meios da Infoglobo, responsável pela criacão e implantacão do Globo Online. Master em Marketing pela PUC do Rio de Janeiro, é ganhadora do Prêmio Comunique-se em 2005, 2010 e 2014 na categoria Jornalista de Tecnologia.

Sobre o blog

Este blog, cujo nome faz referência à porta do protocolo Telnet, que é o protocolo de comunicação por texto sem criptografia, traz as informações mais relevantes sobre a economia digital.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Blog Porta 23
Topo