IPCA
0.01 Jun.2019
Topo
Blog Porta 23

Blog Porta 23

WEF pretende criar um código de ética global para a Inteligência Artificial

Cristina De Luca

2029-05-20T19:15:56

29/05/2019 15h56

"Culturas diferentes têm valores diferentes, e a Inteligência Artificial é uma tecnologia que pode codificar valores", diz Jack Clark, da OpenAI, uma empresa de Inteligência Artificial (IA) de San Francisco, apoiada por grandes investidores do Vale do Silício. "Quais valores devemos codificar em um sistema, a partir de uma perspectiva global?"

Essa é a pergunta que um encontro promovido pelo Fórum Econômico Mundial (WEF) nesta quarta-feira, 29 de maio, em São Francisco, pretende começar a responder.  O debate é de suma importância, diante da geopolítica atual que vem colocando em lados opostos duas potências da IA: a China e os Estados Unidos.

O evento  pretende reunir dezenas de especialistas,  incluindo  representantes das Nações Unidas e da Unicef,  formuladores de políticas e executivos de empresas como Microsoft, IBM, e a gigante de seguros e tecnologia chinesa Ping An, para começar a definir processos capazes de determinar e julgar a responsabilização algorítmica.

Empresas, governos e outros atores precisarão fazer escolhas explícitas ao codificar protocolos de resposta para situações variadas nas quais os sistemas de IA decidirão no lugar das pessoas, pontuam os autores de um artigo publicado recentemente no site do Fórum.

"O papel que o WEF desempenha é o de uma organização internacional imparcial", disse  Kay Firth-Butterfield, chefe de IA e Machine Learning do Fórum, em entrevista ao MIT Technology Review. O objetivo é tentar preencher lacunas de governança da IA, a partir de uma perspectiva global.

O evento é uma das iniciativas do Centro para a Quarta Revolução Industrial do WEF e do seu "Global AI Council", criado em janeiro, durante o encontro anual da entidade em Davos.  Será a primeira reunião do conselho,  co-presidido pelo CEO da Sinovation Ventures, Kai-Fu Lee, e pelo Presidente da Microsoft, Bradford L. Smith.

Já a governança global da IA é tema de um relatório publicado no site do Fórum no início deste mês.  

Até aqui, várias nações já anunciaram planos de IA que prometem priorizar o financiamento, o desenvolvimento e a aplicação da IA. Mas os esforços para construir um consenso sobre como a tecnologia deveria ser governada foram deixados em segundo plano.

"Além das políticas nacionais de Inteligência Artificial,  o que também podemos fazer  internacionalmente,  juntos? Acredito haver um sentimento definitivo de que os países tentarão trabalhar juntos para resolver algumas dificuldades comuns em torno da IA", afirma Kay Firth-Butterfield.

Ela está certa.

Em abril deste ano, a UE divulgou diretrizes para o uso ético da Inteligência Artificial. A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), uma coalizão de países dedicada à promoção da democracia e do desenvolvimento econômico, também anunciou este mês um conjunto de princípios balizadores para a IA, que já conta com a adesão de várias nações, incluindo o Brasil.

Mas é possível avançar mais.

 

Sobre a autora

Cristina De Luca é jornalista especializada em ambiente de produção multiplataforma. É diretora da ION 89, startup de mídia com foco em transformação digital e disrupção. Foi diretora da área de conteúdo do portal Terra; editora-executiva da área de conteúdo da Globo.com; e editora-executiva da unidade de Novos Meios da Infoglobo, responsável pela criação e implantação do Globo Online. Foi colunista de tecnologia da Rádio CBN e editor-at-large das publicações do grupo IDG no Brasil. Master em Marketing pela PUC do Rio de Janeiro, é ganhadora do Prêmio Comunique-se em 2005, 2010 e 2014 na categoria Jornalista de Tecnologia.

Sobre o blog

Este blog, cujo nome faz referência à porta do protocolo Telnet, que é o protocolo de comunicação por texto sem criptografia, traz as informações mais relevantes sobre a economia digital.