Topo

Dez principais tecnologias emergentes que vão mexer com a indústria de TI

Cristina De Luca

26/06/2019 09h50

A Internet das Coisas (IoT) é a tecnologia emergente que oferece as oportunidades mais imediatas para geração de novos negócios e receitas, segundo a lista Top 10 Emerging Technologies recém elaborada pela Emerging Technology Community (Comunidade de Tecnologia Emergente) da CompTIA , a principal associação comercial para a indústria global de tecnologia. A Inteligência Artificial (AI) está em segundo lugar, seguida pelo 5G.

A comunidade inclui executivos do setor e líderes convidados para desenvolver orientações para as organizações sobre os fatores a serem considerados ao avaliar tecnologias emergentes, seja como vendedor de soluções de tecnologia ou como consumidor.

A lista classifica as tecnologias disruptivas de acordo com as oportunidades comerciais e financeiras de curto prazo que oferecem às empresas de TI e outras empresas que trabalham no ramo de tecnologia.

A razão pela qual a lista completa é tão fascinante é que qualquer uma dessas tecnologias – ou qualquer combinação delas – pode ser uma solução valiosa para uma determinada empresa ou segmento vertical.

De acordo com o comunidade, a Internet das Coisas (IoT) e a Inteligência Artificial (IA) têm, talvez, o maior potencial para combinar iniciativas tecnológicas com objetivos de negócios. O 5G e o Blockchain vão permitir o lançamento de uma nova onda de aplicativos. Robótica, impressão 3D e drones são atualmente domínios de nicho que estão encontrando casos de uso mais amplos.

O desafio é encontrar as habilidades certas para entender e misturar todos esses novos ingredientes. Especialmente para empresas menores ou para aquelas que não investiram pesadamente em tecnologia, haverá alguns desafios para acelerar. É por isso que terceiros podem desempenhar um papel maior nesta nova era da tecnologia empresarial. A complexidade das soluções e a escassez de expertise podem gerar demanda por ajuda externa.

1. IoT
A IoT está gerando mudanças nos negócios, fornecendo os dados necessários para melhorar o marketing, aumentar as vendas e diminuir os custos, segundo o relatório.

Uma das abordagens mais populares para descrever a extensão do impacto da IoT são os dispositivos conectados. Os números são impressionantes, mas nem sempre consistentes; as projeções iniciais da Cisco mostraram 50 bilhões de dispositivos conectados até 2020, enquanto as primeiras projeções da Gartner mostraram apenas 24 bilhões de dispositivos conectados no mesmo período.

Mas embora a impressão inicial da tendência da Internet das Coisas possa ser sobre "coisas conectadas", há mais na IoT do que apenas hardware. O software desempenhará um papel fundamental conectando todos os dispositivos e orquestrando atividades. Regras e padrões permitirão adoção em massa. Os serviços fornecerão acesso a benefícios para as empresas que escolherem não se concentrar na construção de seus próprios sistemas. Poucas empresas acham que possuem alta especialização em qualquer uma dessas áreas, portanto, integrá-las será um desafio significativo.

Ainda segundo a CompTIA, em vez de focar em projetos de TI independentes, 63% das empresas com iniciativas atuais de IoT dizem que estão incorporando a tecnologia IoT nos processos de negócios existentes. Isso faz da IoT um exemplo claro de transformação digital, onde as empresas estão reconhecendo que simplesmente trazer novas tecnologias não é suficiente; é preciso haver uma metodologia para reunir a habilidade técnica de TI com a visão de negócios de vários departamentos. Esse entendimento deve começar no nível executivo para que a colaboração seja bem-sucedida.

Embora 35% das empresas considerem a IoT através das lentes tradicionais de TI de cortar custos, 31% consideram que a IoT pode ajudar a gerar novas receitas. Isso pode ser feito aumentando a produção, monetizando dados ou criando uma oferta de produto como serviço. Com diferentes possibilidades para o retorno financeiro e múltiplas áreas de investimento necessárias, 58% das empresas dizem que a determinação do ROI é "muito difícil" ou "moderadamente difícil".

As projeções de receita são tão variadas quanto as projeções para dispositivos conectados, mas ainda fornecem uma lente adicional para visualizar o impacto da IoT. A empresa de pesquisa Bain & Company prevê que os gastos globais da IoT chegarão a US $ 520 bilhões em 2021, e a IDC estima gastos globais da IoT em US $ 1,2 trilhão até 2022. Para o contexto, a IDC informou que os gastos gerais com TI em todo o mundo em 2018 foram de US $ 4,5 trilhões. Os gastos específicos da IoT provavelmente não serão um quarto de todos os gastos com TI, portanto, o número de IoT da IDC inclui itens necessários para IoT que normalmente se enquadram em outras categorias, como equipamentos de rede ou software de banco de dados.

2. Inteligência Artificial (IA)
A IA já está impactando significativamente a forma como os clientes interagem com as empresas por meio de sites e bots inteligentes, e essas ferramentas estão se tornando cada vez mais comoditizadas e integradas ao trabalho diário, observa o relatório.

"Os maiores impactos em todos os setores – de varejo a saúde, hospitalidade a finanças – são sentidos quando a IA melhora a segurança de dados, a velocidade e a precisão da tomada de decisões e a produção e treinamento dos funcionários", afirma Maddy Martin, vice-presidente da comunidade e chefe de crescimento e treinamento da Smith.ai.

"Com uma equipe mais capacitada, leads de vendas mais qualificados, resolução de problemas mais eficiente e sistemas que alimentam dados reais para futuras melhorias de processos e produtos, as empresas que empregam tecnologias de Inteligência Artificial podem usar recursos com eficiência muito maior", diz ele.

Tal como acontece com a maioria das novas iniciativas tecnológicas, a redução de custos está no topo da lista de benefícios esperados. Tradicionalmente, a TI tem sido vista como um centro de custo, e geralmente espera-se que novos avanços ajudem a reduzir custos.

Nos estágios iniciais da adoção de tecnologia emergente, a economia de custos pode ser encontrada onde o novo modelo está simplesmente substituindo o modelo antigo. Nos estágios posteriores, no entanto, novos fluxos de trabalho ou processos são frequentemente necessários para obter o máximo do novo modelo. Os fornecedores de soluções devem ter certeza de que entendem a curva de adoção de longo prazo, de modo que possam ajudar seus clientes a se concentrarem além do curto prazo.

Uma forma de as empresas tentarem economizar custos é entregando tarefas básicas ao software – o segundo benefício que a maioria das empresas espera da IA. No curto prazo, as empresas podem usar IA dessa maneira para ajudar a reduzir erros e melhorar a repetibilidade. No longo prazo, as empresas devem explorar formas melhores de utilizar os funcionários que estavam realizando essas tarefas anteriormente, possivelmente usando os dados gerados pela atividade de IA para melhorar ainda mais as operações digitais. É aí que a transformação digital realmente ocorre – não apenas fazer coisas antigas de uma maneira nova, mas  redefinir processos, responsabilidades e resultados.

É claro que, se as empresas estão esperando economizar dinheiro implementando IA, a principal preocupação será os investimentos necessários para colocar a IA em operação. O desafio para os provedores de soluções aqui é o mesmo que para qualquer análise de custos – certifique-se de que todos os custos estão sendo considerados. Uma área frequentemente ignorada é o componente de dados, onde eles devem garantir que dados suficientes estão sendo coletados e processados ​​para a AI para tomar decisões.

Em resumo, a Inteligência Artificial está posicionada para ser uma das tecnologias mais disruptivas da próxima década. Mas a adoção não acontecerá da noite para o dia. Para eventualmente usar a IA para descobrir novos insights e lidar com grandes problemas, as empresas precisarão primeiro criar os processos corretos em torno dessa tecnologia. " Como parte fundamental da estratégia digital, os provedores de solução podem ajudar seus clientes a não apenas implementar novas ferramentas de IA hoje, mas também maximizar as operações de IA no futuro.", alerta a CompTIA.

3. 5G
A ascensão das redes 5G está aumentando nossa capacidade de mover, manipular e analisar dados em plataformas sem fio, de acordo com a CompTIA. À medida que o padrão 5G for se desenvolvendo de maneira mais completa nos próximos anos, impulsionará o desenvolvimento de aplicativos mais complexos para resolver problemas e aumentar o crescimento em todos os setores.

"O desenvolvimento e a implantação do 5G vão possibilitar o impacto nos negócios em um nível que poucas tecnologias já ofereceram, fornecendo wireless na velocidade e na latência necessárias para soluções complexas como veículos sem motorista", afirmou Michael Haines, presidente de comunidade e diretor de estratégia e programa de incentivo de parceiros da Microsoft. "Além disso, uma vez totalmente implantado geograficamente, o 5G ajudará os mercados emergentes a obterem a mesma 'velocidade de negócios' que suas contrapartes maduras. Os provedores de soluções que desenvolvem soluções baseadas em 5G para aplicações industriais específicas terão vantagens lucrativas e antecipadas".

Espera-se que a nova geração de tecnologia móvel transforme mercados verticais inteiros como automotivo, energia, alimentação e agricultura, administração de cidades, governo, saúde, manufatura, transporte e muito mais. Isto será possível graças à definição de casos de uso específicos, exemplificados na infografia da 5G Americas.

Estes casos que serão habilitados pela 5G necessitam de diversos requisitos em termos de desempenho das redes e também realizarão distintos tipos de interação, incluindo "pessoas com pessoas", "pessoas com máquinas" e "máquinas com máquinas".

Geralmente, estes serviços e aplicações se dividem em três grandes grupos, de acordo com seus requisitos de desempenho: eMBB (enhanced Mobile Broadband ou Banda Larga Móvel Melhorada), MIoT (Massive Internet of Things, Internet das Coisas Massiva), e URLLC (Ultra Reliable Low Latency Communications, Comunicações Ultra confiável de Baixa Latência).

As aplicações relacionadas ao eMBB, como realidade virtual ou vídeo em ultra alta definição (UHD) demandam uma alta taxa de transferência e uma boa cobertura de serviços, enquanto que as de MIoT – monitoramento de saúde ou cidades inteligentes – dependem, principalmente, de números elevados de dispositivos em pequenas áreas, e por último os serviços de URLLC – compostos por cirurgias remotas e comunicações de "veículos com veículos"- são extremamente rigorosos em termos de latência e confiabilidade.

 4. Computação sem servidor
A computação sem servidor permite que as organizações criem um ambiente de TI NoOps  automatizado e abstraído da infraestrutura subjacente, reduzindo os custos operacionais e permitindo que as empresas invistam no desenvolvimento de novos recursos que agregam mais valor, diz o relatório.

5. Blockchain
Mais organizações estão explorando e implementando Blockchain para resolver a necessidade crescente de proteger e gerenciar transações através da internet.

Existem muitas razões para os provedores de soluções ficarem empolgados com o blockchain, mas também há muito o que fazer antes que a maioria possa desenvolver práticas de sucesso, de acordo com membros do Blockchain Advisory Council da CompTIA.

A tecnologia ainda está em desenvolvimento, os recursos qualificados são difíceis de encontrar e não há muitos padrões ou regulamentações claras em vigor – e tudo isso pode impactar a adoção por um tempo.

"As empresas estão reticentes em pular na blockchain porque é muito imatura neste momento", disse Jim Gitney, CEO do Group 50 . "Para os provedores de soluções, o foco deve estar na padronização e no desenvolvimento de uma ótima história. Estamos provavelmente a quatro ou cinco anos longe de ver Blockchain como mainstream, mas isso acontecerá".

6. Robótica
A robótica está automatizando os processos de rotina usando máquinas para tornar os negócios mais rápidos, menos dispendiosos e mais eficientes, segundo o relatório.

7. Biometria
A biometria, incluindo o reconhecimento de face, a impressão digital e a retina, está se tornando um método comum de verificação de identidade. Esse método formará a base segura para as soluções entregues pelas empresas de TI no futuro, acredita  a CompTIA.

8. Impressão 3D
A impressão 3D oferece uma solução para o baixo volume de fabricação de peças complexas, além da rápida produção local de produtos difíceis de encontrar, observa o relatório. À medida que produtos mais acessíveis se tornam disponíveis, as oportunidades para esse setor continuarão a crescer.

9. Realidade Virtual (RV) / Realidade Aumentada (AR)
Usando RV, RA, realidade mista, IA e tecnologias de sensor as organizações podem melhorar a eficiência operacional e a produtividade individual, de acordo com o relatório.

10. Drones
Os drones permitem automação robótica com menos restrições geográficas, diz o relatório. Oportunidades de desenvolvimento e integração são altas para este mercado.

Sobre a autora

Cristina De Luca é jornalista especializada em ambiente de produção multiplataforma. É diretora da ION 89, startup de mídia com foco em transformação digital e disrupção. Foi diretora da área de conteúdo do portal Terra; editora-executiva da área de conteúdo da Globo.com; e editora-executiva da unidade de Novos Meios da Infoglobo, responsável pela criação e implantação do Globo Online. Foi colunista de tecnologia da Rádio CBN e editor-at-large das publicações do grupo IDG no Brasil. Master em Marketing pela PUC do Rio de Janeiro, é ganhadora do Prêmio Comunique-se em 2005, 2010 e 2014 na categoria Jornalista de Tecnologia.

Sobre o blog

Este blog, cujo nome faz referência à porta do protocolo Telnet, que é o protocolo de comunicação por texto sem criptografia, traz as informações mais relevantes sobre a economia digital.

Blog Porta 23